Brasileiro é novo desenhista do Super-Homem

Um dos super-heróis mais queridos e conhecidos do mundo vai ganhar uma nova equipe criativa. Depois da divulgação de que J. Michael Straczynski seria o novo roteirista da série mensal “Superman”, começaram as especulações a respeito de quem completaria o time responsável por dar vida às novas aventuras do filho de Kripton. E, recentemente, o blog oficial da DC Comics, o “The Source”, divulgou o nome do desenhista Eddy Barrows como novo ilustrador da série.

Para quem não conhece nada do mercado de HQs, esta notícia aparentemente não tem relação alguma com o Brasil, certo? Errado! Apesar do nome pomposo de ator hollywoodiano, esse artista é natural de Belém do Pará, cresceu em Belo Horizonte e mal arranha o inglês. A aparente coincidência entre o nome e o mercado norte-americano é, na verdade, fruto de um mal-entendido.

“Em 1999, eu enviava desenhos por fax aos EUA”, contou o quadrinista ao jornal Folha de São Paulo. “A parte de cima da página, onde estava meu nome, sempre saía cortada, e o agente pensava que era Eddy Barrows”.

Na verdade, era Eduardo Barros. Mas ele só percebeu o engano meses depois, quando não havia mais volta. O mineiro — que, sem querer, acabou trilhando o mesmo caminho de desenhistas famosos como Mike Deodato, Luke Ross, Joe Bennett e Roger Cruz, que americanizaram seus nomes visando facilitar a vida no mercado de HQs daquele país — já vem desenhando regularmente a série “Action Comics”, que também sai mensalmente nos Estados Unidos, além de estar envolvido na saga “War of the Supermen”.

Hoje, o quadrinista de 35 anos está em alta no mercado norte-americano e, ao assumir um personagem tradicional e de peso como o Super-Homem, dando formas aos roteiros do não menos ilustre J.M. Straczynski, Barrows rabiscou — desculpem o trocadilho infame — definitivamente seu nome no hall da fama das HQs de super-heróis.

A trajetória de Barrows lembra a do também brasileiro Ivan Reis — desenhista responsável pela mega-série “Blackest Night”, uma das últimas e mais importantes sagas do Lanterna Verde, super-herói da DC Comics. Ambos desenham com contrato de exclusividade para a DC. Tanto para Barrows quanto para Reis, no meio do caminho para o sucesso nos EUA havia Joe Prado, agente que faz a ponte entre os artistas daqui e as editoras de lá por meio da agência brasileira Art Comics. Mas, anos antes de entrar para o primeiro escalão da DC, Barrows havia desistido da carreira, em 2000. A explicação para a desistência foi a insatisfação com o próprio traço que, segundo ele, “era ruim, tanto em cenários quanto em anatomia feminina”. Em 2003, quando achou que estava pronto para voltar ao mercado, assinou contrato com a Image Comics (das séries “Spawn” e “Whichblade”) e desenhou gibis da série “G.I. Joe”. No ano seguinte, iniciou contatos com a Marvel e a DC, ficando com a última.

Para alguém que achava o próprio traço ruim, Barrows se mostrou um criador de figuras detalhistas e proporcionais no que se refere à anatomia humana. E os cenários, marcados por formas geométricas regulares, impressionam pelo perfeccionismo.

Sua estreia será na edição 700 da série “Superman”, que deve sair em breve nos EUA. Segundo a Panini, que edita os gibis no Brasil, não há previsão de quando esses desenhos chegarão aqui.

Comente

 

Smallville tease 15 de Janeiro

Tempo de recesso significa um maior número de trailers promocionais para atrair o público para o dia do retorno. A emissora norte americana CW fez um trailer "teaser" para promove[...]