folder Categoria(s) Cinema, Destaque
"Última Parada 174"
Rita Franco comment Comentários access_time 2 minutos

“Última Parada 174” (Brasil, 2008), mais nova empreitada do diretor Bruno Barreto (de “O que é isso, companheiro”, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1998 e baseado na obra homônima de Fernando Gabeira) será lançado mundialmente durante o Festival de Cinema de Toronto, no Canadá.

A obra, distribuída pela Paramount Pictures, foi escolhida para participar da seção “Special Presentations”, sendo o único representante da América Latina.

O longa conta a história, real mas narrada em forma de ficção, do seqüestro do ônibus 174.

Em 12 de junho de 2000 um ônibus da linha 174 (que faz o percurso Gávea- Central do Brasil, no Rio de Janeiro) foi invadido por um homem armado, Sandro Barbosa do Nascimento, que manteve as passageiras (todas do sexo feminino) reféns por aproximadamente quatro horas.

Durante o seqüestro Sandro, sobrevivente da tragédia ocorrida na Candelária em 1993, procurou amedrontá-las, dando tiros a esmo e ameaçando matá-las (tudo transmitido pela TV)

O que a princípio parecia apenas um assalto comum saiu fora do controle principalmente quando Sandro deixou o ônibus apontando a arma para a professora Geísa Gonçalves. Nesse momento começou uma troca de tiros entre seqüestrador e a polícia que atingiu a refém, a qual não conseguiu sobreviver.

Depois Sandro foi levado com vida por membros do BOPE (o mesmo batalhão retratado pelo cineasta José Padilha em “Tropa de Elite”, com Wagner Moura) mas morreu por asfixia.

Michel Gomes, que trabalhou em “Cidade de Deus”, interpreta o seqüestrador, e Cris Viana, em papel inspirado na mãe adotiva de Sandro, Elza da Silva, representarão o Brasil no Festival. Estão no filme, ainda,  André Ramiro (como o policial que comandou as negociações), que participou de “Tropa de Elite” e Douglas Silva (que faz um dos amigos de Sandro que morreu na Chacina da Candelária), de “Cidade dos Homens”.  

A história também deu origem ao documentário “Ônibus 174”, em 2002, cuja direção coube ao mesmo José Padilha do já citado “Tropa de Elite”.

Além do Festival de Toronto, o filme abrirá o Festival do Rio 2008, em 25 de setembro.

Mais do que outro filme do gênero policial, o filme tenta jogar uma luz sobre a história.

Bruno Barreto