folder Categoria(s) Destaque, Entrevista, Especial, Internet, Personalidades, SteamPunk
Comunidade SteamPunk: Fábio Ori
Lucas Sigaud comment Comentários access_time 10 minutos

Criador da primeira Comunidade do Orkut totalmente dedicada ao gênero SteamPunk, Fábio Ori acabou se transformando em referência, tendo sido entrevistado pelo Terra recentemente e sendo um dos responsáveis pela popularização do gênero no país.

E se você não sabe o que é SteamPunk, é bom se informar! O gênero vem crescendo cada vez mais e é comum que muita gente goste de SteamPunk sem saber.

Lucas Sigaud: Quem é Fábio Ori da Veiga?

Fabio Ori: Tenho 22 anos e curso o 3º ano de Design Gráfico. Moro atualmente – e desde sempre – em Joinville, Santa Catarina, cidade que adoro e da qual eu não pretendo sair tão cedo. Falando mais precisamente sobre como sinto que sou hoje acredito que tudo se baseia na maneira de perceber o mundo. Entre as muitas coisas que aprendi na faculdade de está a forma como enxergamos e interagimos a partir dessa percepção. Busco aplicar esse conceito em meu trabalho e, sobretudo na vida. Sendo mais específico seria como conseguir captar todas as todas as cores de uma fotografia, ou descrever todas as linhas de um objeto. Trata-se de olhar por todos os ângulos possíveis, mas não necessariamente aceitar nenhuma dessas visões como única e verdadeira.

Lucas Sigaud: Como ilustrador e artista você parece usar o CyberPunk como constante fruto de inspiração. A estética SteamPunk te inspira na mesma medida?

Fabio Ori: Digamos que não tanto quanto eu gostaria no momento. Pra buscar essa inspiração nem sempre é fácil, é preciso despender algum tempo com coleta de imagens e rascunhos. Idéias surgem várias, mas geralmente o resultado ainda está aquém do esperado para finalizar o trabalho. A falta de tempo também uma vilã quando se deseja desenvolver trabalhos autorais.

Acredito que assim como eu, todo fã de SteamPunk é um fascinado por viagem no tempo.

Lucas Sigaud: Como você conheceu o estilo SteamPunk?

Fabio Ori: Não sei dizer especificamente. Sempre gostei de SciFi desde pequeno, e como todo bom garoto nerd eu adorava “De Volta Para O Futuro”. Acredito que assim como eu, todo fã de SteamPunk é um fascinado por viagem no tempo. Aliás, não sei se com todos ocorreu da mesma forma, mas eu já gostava de SteamPunk muito antes de saber que se denominava dessa forma. Lembro de comentar com um amigo há uns cinco anos atrás sobre como era o estilo, e ele chamava de anacrotecnologia. De certa forma não está errado, mas não é um termo específico. Quando “SteamBoy” foi lançado eu me interessei por ser do mestre Katsuhiro Otomo, criador de Akira. Foi somente nessa época que tomei conhecimento do termo.

Lucas Sigaud: Como começou a comunidade “Steampunk” no orkut, que já tem quase 2 anos?

Fabio Ori: Lembro que, na época que a comunidade surgiu, eu encontrava pouquíssimo material sobre o estilo – em português tampouco. Criei a comunidade porque a única que havia sobre o assunto era em inglês. Eu não tinha grandes pretensões, e os primeiros membros foram amigos que não estavam tão conectados ao tema. Aos poucos ela cresceu, mas gostaria que o orkut rendesse discussões mais interessantes, digamos de uma forma geral, e não especificamente sobre a comunidade Steampunk.

Acredito que a visão atual do SteamPunk esteja intimamente conectada a nova forma que o gerar o conteúdo da rede, onde cada um de nós produz um pouco de tudo que consumimos.

Lucas Sigaud: Como você vê o cenário SteamPunk no mundo?

Fabio Ori: Com certeza bem mais interessante do que poucos anos atrás. A produção de conteúdo e a conexão das pessoas que produzem está bem fundamentada. Vejo como uma conseqüência da relevância que a Internet possui. De outra forma não haveria esse nível de comunicação entre apreciadores de um nicho tão específico. Aliás, acredito que a visão atual do SteamPunk esteja intimamente conectada a nova forma que o gerar o conteúdo da rede, onde cada um de nós produz um pouco de tudo que consumimos. Principalmente no que diz respeito ao espírito “crie-você-mesmo” do SteamPunk.

Lucas Sigaud: E no Brasil?

Fabio Ori: No Brasil sempre permanece aquela sensação de que poderia ser melhor. As pessoas poderiam estar mais bem informadas. Percebo isso até mesmo na faculdade de design. Você espera um pouco mais de bagagem visual e estética, mas existe pouco interesse. Sem dúvida não há como negar iniciativas como do Conselho Steampunk em promover o gênero. A realização de um evento já nos diz muito sobre a vontade de muitas pessoas de que o movimento se desenvolva.

Lucas Sigaud: Qual a diferença entre o movimento SteamPunk hoje e há alguns anos atrás?

Fabio Ori: Se fosse falar de como eu percebo o movimento na minha cidade diria que não mudou muito. Geralmente os fãs de SteamPunk daqui são Otakus e Cosplayers, que estão mais interessados na cultura japonesa. O que me faz perceber de forma diferente é justamente o aumento da produção de conteúdo. Sem querer ser redundante, mas todos esses fenômenos são possíveis graças à Internet, que permite o desenvolvimento de comunidades.

Lucas Sigaud: Quais são suas obras favoritas relacionadas ao Steampunk (livros, filmes, etc.)?

Fabio Ori: Em função da minha limitação com o inglês, só pude ler os clássicos. Já no cinema é difícil eleger favoritos, mas gosto muito de “A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça” e “O Grande Truque”. Na animação o “Steamboy” e a série “Full Metal Alchemist”. Já nos quadrinhos meu favorito é “A Liga Extraordinária”.

Lucas Sigaud: Como você acha que o Steampunk se compara aos outros estilos próximos, como o Cyberpunk?

Fabio Ori: Acredito que esses estilos estejam intimamente ligados pelo fascínio que temos quanto à tecnologia. Gostamos de imaginar como será solução encontrada pelo autor para representar determinado objeto ou mecanismo dentro dessa distopia. Nesse viés podemos englobar toda visão do autor de como seria essa sociedade e como as pessoas se relacionariam. Vejo isso como uma vontade que temos de adentrar um meio que difere muito daquele em que estamos inseridos, e naturalmente temos curiosidade em conhece-lo.

Lucas Sigaud: A estética Steampunk é muito trabalhada visualmente, como pode ser comprovado em graphic novels e filmes antigos (como “Metropolis”) e atuais (como o mencionado “O Grande Truque”). Na sua opinião, o que é tão atraente na estética SteamPunk?

Fabio Ori: A estética SteamPunk é interessante no que diz respeito aos muitos elementos visuais que podem ser utilizados. Como exemplo, as engrenagens e mecanismos, as vestimentas e acessórios, e sem dúvida alguma no desenvolvimento de arquétipos. Esses elementos compõe um universo muito rico, que instigam o ímpeto curioso e inventivo, típico do espírito SteamPunk.

Lucas Sigaud: Fale um pouco de seu trabalho gráfico e de como você incorpora o SteamPunk nele.

Fabio Ori: Trabalho basicamente com ilustração comercial. Durante muito tempo fui fortemente influenciado pelo estilo de quadrinhos japonês (mangá). Mas tenho me afastado dessa linha tanto pela necessidade do mercado por trabalhos mais generalistas quanto pelas necessidades artísticas pessoais. As influencias CyberPunk e SteamPunk acabam limitadas aos trabalhos autorais.Como citei anteriormente eu não tenho aplicado a estética SteamPunk da maneira como gostaria. Por enquanto tenho incorporado mais ao vestuário de personagens. Gosto muito do estilo militar do século XIX, e busco introduzir releituras desse estilo em meu trabalho.

Acho que nenhum personagem histórico se encaixa tão bem na literatura Steampunk quanto Tesla (biografia)

Lucas Sigaud: Em “O Grande Truque”, um dos vínculos mais estreitos com o SteamPunk vem na figura de Nikola Tesla. Quais outros personagens históricos você acha que remetem ao SteamPunk?

Fabio Ori: Acho que nenhum personagem histórico se encaixa tão bem na literatura Steampunk quanto Tesla (biografia), no entanto sempre pode se associar essa essência a grandes inventores do século XXI. Aliás, acredito que essa essência seja a maior inspiração para a ciração do gênero. Dentre os personagens históricos que remetem ao estilo posso citar Thomas Edison, os Irmãos Lumière e o meu favorito Santos Dumont.

Lucas Sigaud: O que você acha da iniciativa de entidades como a Sociedade Brasileira de Steampunk e o Conselho Steampunk (com suas lojas do Rio de Janeiro e São Paulo)? Que contribuição você acha que elas podem dar ao movimento?

Fabio Ori: Só o fato de proporcionar um ponto de encontro para que os fãs possam se relacionar já é fantástico. Confesso que me admirou quando vi a página do Conselho SteamPunk pela primeira vez e percebi a qualidade do conteúdo e a dedicação dos envolvidos. Essa iniciativa tende a divulgar de maneira séria e como o Steampunk merece. Espero que dessa forma cada vez mais pessoas, que muitas vezes gostam, mas não conhecem bem o estilo possam ter um contato mais íntimo com os elementos.

Lucas Sigaud: O site http://www.steampunk.com.br recentemente inaugurou o SteamFeed, a fim de agregar artigos, trabalhos, fóruns, etc., relacionados com SteamPunk. O que você achou dessa iniciativa? Tem alguma sugestão de serviço para a comunidade SteamPunk?

Fabio Ori: Algo que obviamente eu percebi no site foram os esforços em promover um meio bastante democrático e igualitário de participação. O feed reforça essa política adotada pelo site. O interessante é que além de um espaço para a publicação dos trabalhos, possa incentivar quem pretende produzir. Como sugestão, apesar de saber da dificuldade em produzir, acho que seria muito legal um podcast ao estilo do EscribaCafé, com contos SteamPunk e efeitos sonoros. Camisetas do Conselho SteamPunk também são uma boa pedida.

Lucas Sigaud: O que podemos esperar ver, no futuro, em suas obras?

Fabio Ori: A partir do ano que vem pretendo mergulhar cada vez mais fundo no universo estético do SteamPunk e do CyberPunk já que este será o tema principal do meu projeto de TCC que será finalizado em 2010. O projeto contará com uma pesquisa quanto ao background e os arquétipos desses estilos, que posteriormente resultará em uma HQ. Dessa forma posso adiantar que 2009 será um ano de muita experimentação em meu trabalho.

Lucas Sigaud: Se você pudesse traçar um futuro para o SteamPunk no país, o que gostaria de ver acontecer?

Fabio Ori:Gostaria que cada vez mais pessoas pudessem ter o prazer de desvendar o que é Steampunk e pudessem usufruir mais completamente toda a riqueza que o estilo proporciona. E além, que venham mais eventos, mais participação dos amantes do gênero e muito mais lenha as fornalhas!

Visite a Comunidade SteamPunk, no Orkut

SteamPunk.com.br

sp.SteamPunk.com.br

Cadastre-se no Registro SteamPunk!

SteamPunk